Primeira Carta Pastoral à Diocese de Colatina – sobre o Santuário Diocesano

Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde

Colatina, 21 de Julho de 2015

Queridos irmãos e irmãs em Cristo Jesus!

Povo de Deus em festa!

A querida e amada Diocese de Colatina está vivendo um momento extraordinário da graça do Senhor: o seu Jubileu de Prata, que acontecerá no próximo dia 21 de novembro.

No decorrer das comemorações pelos 25 anos da missão evangelizadora desenvolvida nesta Igreja Particular, vamos contemplar, reencantar e celebrar cada pequena vitória, cada passo em frente na evangelização.

Vamos continuar crescendo, apoiando e valorizando as comunidades eclesiais com suas pastorais, movimentos, serviços, associações, comunidades de vida e aliança e o grande Projeto Diocesano de Evangelização 2013-2016, sendo uma Igreja fortalecida na fé, samaritana e dinâmica na sua missionariedade, com lideranças renovadas.

São conhecidos o entusiasmo e a vitalidade da caminhada eclesial que a Diocese de Colatina vem conquistando ao longo de seus 25 anos e mais particularmente agora, em pleno século XXI, experimentando os desafios de uma mudança de época e as exigências de uma conversão pastoral.

Esta Igreja deve ter suas ações embasadas no amor a Deus e ao próximo, na força da intercessão e no exemplo da fiel discípula missionária, Nossa Senhora da Saúde, Padroeira Diocesana.

Queridos irmãos e irmãs devotos e devotas de Nossa Senhora, mãe de tantos títulos, dirijo-me a vocês que já ajudaram a construir tantos santuários marianos: a partir de agora, tenhamos um esforço concentrado para terminarmos a construção do interior do nosso Santuário Nossa Senhora da Saúde, em Ibiraçu. Será um belo presente dos romeiros, devotos e diocesanos, dentro do ano jubilar, à Senhora da Saúde.

Esta carta não é apenas um simples pedido de generosidade e colaboração, mas uma grande oportunidade para refletirmos e demonstrarmos nosso amor e reconhecimento a Maria. Celebrando o seu Jubileu de Prata, a Igreja Particular de Colatina quer responder também, com renovada alegria e com o coração ardente (cf. Lc 1,38): “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra”.

Uma vez conhecido o designo divino, Maria entrega-se à vontade de Deus com obediência pronta e sem reservas. Ouve com atenção o que Deus quer, pondera aquilo que não entende, pergunta o que não sabe. Imediatamente a seguir, entrega-se sem reservas ao cumprimento da vontade divina. Assim, com o seu “fiat” (“sim”) generoso, converteu-se, por obra do Espírito, em Mãe de Deus e também nossa Mãe. Desde toda a eternidade, Deus havia pensado Nela e a havia escolhido para ser a mãe de Jesus. Nenhuma pessoa ou anjo é tão grande em glória e divindade quanto Maria!

Jesus é gerado por obra do Espírito Santo, e seu pai, aqui na terra, é José, o carpinteiro, também reconhecido e homenageado em nosso Santuário Diocesano.

Nossa Senhora é o modelo da Igreja Samaritana, é a imagem do que deve ser o cristão, é aquela que é feliz porque acreditou que a Palavra de Deus se cumpriria em sua vida, naquele momento histórico tão estéril e desumano. É uma garantia para todos nós de que o Espírito Santo cumprirá plenamente sua missão de santificar e dar sabedoria a todos nós, como o fez nela, que já é aquilo que seremos um dia, na medida em que formos nos entregando à Palavra de Deus, como ela fez.

Os Evangelhos falam pouco de Maria. Mas, se falassem somente as palavras que ela disse ao anjo, quando este anunciou que ela seria a mãe de Deus, isso nos teria bastado. Maria sabe dizer “SIM” a Deus e Ele toma posse dela, e ela deixa que Deus aja em sua vida.

E quando Jesus está pregado na cruz, Ele diz ao Apóstolo João: “Eis aí tua Mãe”. Nesse momento, João representa todos os homens da terra, que recebem Maria, a Mãe de Jesus, como Mãe. Jesus deixava-nos a sua Mãe como nossa Mãe. E só depois de fazer isso é que Jesus pôde sentir que “tudo estava consumado” (Jo 19,28). Isso significa que, com Maria, nossa Mãe, começa a nova história da humanidade, a história da escuta e da obediência a Deus para edificarmos um mundo novo. Como verdadeira Mãe, ela caminha conosco, é a missionária que sofre e luta ao nosso lado e carinhosamente aproxima-nos do amor de Deus.

O que é santuário?

O santuário se destaca por ser um espaço de memória e presença de Deus, pelas celebrações da Eucaristia e pelo atendimento das confissões. É um lugar para se encontrar com o amor de Deus, vivenciar a fé, experimentar a benção e a graça divina através de Nossa Senhora. Como memória, o santuário sublinha a história da salvação, mostra Deus agindo em favor do seu povo, o que se pode ver na sala de promessas.

O santuário também é um sinal profético que aponta para a esperança da fé, para a realização da aliança de amor eterno entre Deus e as pessoas. A sala de promessas é um indicativo de que Deus vem em auxílio de seu povo, que Deus vê seus sofrimentos e clama por conversão para que a dignidade e a vida humana sejam respeitadas e promovidas.

O Santuário Nossa Senhora da Saúde tornou-se pequeno ao longo do tempo para acolher os devotos de Nossa Senhora que chegavam como filhos abatidos e saíam com o coração cheio de saúde e vida desejando uma evangelização profunda.

Temos consciência de que a verdadeira evangelização deve gerar nos corações a vida da graça. Maria começa por ser a “cheia de graça” para, em seguida, transbordar essa graça no mundo. Maria encarnou e posteriormente entregou Jesus ressuscitado para toda a humanidade.

No Santuário, nós recebemos Jesus pelas mãos de Nossa Senhora. Nós sabemos que receber Cristo não é acolher uma ideia, mas uma pessoa viva e portadora de vida em plenitude. Essa experiência pessoal e comunitária de Jesus leva os devotos, que muitas vezes buscam apenas a saúde do corpo, a procurarem a graça do perdão através da confissão, obtendo-se assim a cura interior e seguindo a busca de Deus e de sua vontade pelas mãos de Nossa Senhora. Isso leva os romeiros a uma largueza de coração, à caridade para com o próximo e, por fim, às exigências da fé em termos de justiça social, em vista da transformação dos ambientes.

Logo que cheguei na Diocese de Colatina, ouvi com atenção o depoimento de um jovem romeiro que chegou ao Santuário Nossa Senhora da Saúde com o coração revoltado com Deus, pensando somente em si e em sua dor e, depois, vendo o sofrimento de tantas pessoas, partia pensando nos outros, nos problemas deles e em transformar toda a problemática social, corrupta, desumana e pecadora em que estamos mergulhados.

Para solidificar essa experiência de passagem pelo Santuário, além da perseverança na comunidade, apoio e incentivo a Leitura Orante da Palavra de Deus (Lectio Divina) diariamente e o terço diário em família. Entre as muitas formas de se aproximar da Sagrada Escritura existe uma privilegiada que todos estamos convidados a experimentar: a Lectio divina ou exercício de leitura orante da Sagrada Escritura.

“Com seus quatro momentos (leitura, meditação, oração, contemplação), a leitura orante favorece o encontro pessoal com Jesus Cristo semelhante ao modo de tantos personagens do evangelho”. (DAp 249)

O papa Bento XVI, na exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini, SOBRE A PALAVRA DE DEUS NA VIDA E NA MISSÃO DA IGREJA, nº 86, diz: “O Sínodo insistiu repetidamente sobre a exigência de uma abordagem orante do texto sagrado como elemento fundamental da vida espiritual de todo o fiel, nos diversos ministérios e estados de vida, com particular referência à Lectio divina. Com efeito a Palavra de Deus está na base de toda a espiritualidade cristã autêntica.”

O Papa Francisco nos ensina que esse caminho de oração e de escuta da Palavra, está sendo redescoberto por meio da Lectio divina. Recordo o roteiro a ser seguido:

1) LEITURA DO TEXTO

O que diz o texto, literalmente.

2) MEDITAÇÃO

O que diz o texto, para mim.

3) ORAÇÃO

O que o texto me leva a dizer a Deus.

4) CONTEMPLAÇÃO

Qual a visão nova a partir do texto.

Agende esse compromisso diário com o Senhor e depois cumpra o que foi agendado.

Irmãos e irmãs, enfim, vamos também concretamente focar nossa ajuda, nossos donativos para o término do Santuário Nossa Senhora da Saúde, em Ibiraçu, que precisa agora da nossa colaboração integral.

Com o nosso olhar voltado para nossa Padroeira, vamos presenteá-la, até final do Ano Mariano, em 31 de dezembro de 2017, com o término desta grande obra.

Recordo que, em 1º de agosto de 2011, o meu antecessor dom Décio Sossai Zandonade, hoje nosso bispo emérito, divulgou um decreto em que convida as comunidades a participarem de forma mais efetiva da vida do Santuário. Relembro que, nesse decreto, ele determina que todo o dia 21 de cada mês seja um dia especial de orações pedindo a proteção de Nossa Senhora da Saúde. Cada comunidade deve encontrar a forma de melhor organizar este dia celebrativo (terço, adoração, missa, celebração). O mesmo decreto afirma que, neste dia, deve-se organizar uma coleta em favor do Santuário e que, ao menos uma vez ao ano, cada paróquia organize uma romaria ao Santuário. É um decreto importante e que reafirmo e reforço nesta Carta Pastoral.

Que a caminhada proposta hoje seja repleta da graça de Deus, especialmente nas circunstâncias mais desafiadoras para que, com a afetuosa intercessão de Maria, Nossa Senhora da Saúde, Padroeira desta Diocese, possamos produzir excelentes frutos conforme a vontade do Senhor.

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DA SAÚDE

Ó Mãe querida, Nossa Senhora da Saúde,

Aqui estamos diante de tua imagem milagrosa.

Agradecemos e louvamos a Deus Pai

Que te preservou, pela ação do Divino Espírito Santo,

De toda a mancha de pecado

Para seres a Mãe de Jesus, nosso Senhor e Salvador,

Saúde plena de toda a humanidade.

Volve teu olhar de compaixão e carinho sobre nós, teus filhos,

Que sentimos, no corpo e na alma,

O peso de tantas enfermidades.

Ensina-nos a unir nossos sofrimentos aos de Jesus,

Percorrendo contigo o caminho da santidade,

Lutando juntos na construção de uma sociedade

Onde reine, para todos,

Saúde, alegria, fraternidade e paz.

Confiantes no poder de tua intercessão junto a Deus

Depositamos em teu coração de Mãe

A saúde nossa e a de todos nossos irmãos e irmãs.

(pausa para intenções particulares)

Ajuda-nos a afastar de nossas famílias e da sociedade

A desunião, a corrupção, as drogas e a violência.

Fortalece a fé, a esperança e a caridade de nossa Igreja

E concede-nos, ó Mãe, a alegria de estarmos, um dia,

Todos juntos, contigo, no Céu. Amém.

 

DOM JOAQUIM WLADIMIR LOPES DIAS

Bispo da Diocese de Colatina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *