Nossa Senhora Auxiliadora

A imigração italiana na região de Itarana teve início no ano de 1882. A primeira capela, construída por volta de 1887, foi dedicada a São Sebastião, onde havia uma imagem do santo, esculpida em madeira. A capelinha também era de madeira e para chegar até ela era preciso subir 150 degraus, que serpenteavam o morro. Era tão pequena que dentro dela cabiam apenas as crianças e poucos adultos da vila. Numa tarde, o zelador da capelinha esqueceu de apagar as velas, dando início, assim, a um incêndio que destruiu o local e danificou a imagem de São Sebastião. Em 4 de fevereiro de 1919, uma nova capela, desta vez de alvenaria, começou a ser construída em honra ao santo, em um terreno próximo de onde ficava a primeira capela. Em outubro do mesmo ano, por ocasião da visita pastoral do bispo diocesano, Dom Benedito Paulo Alves de Souza, foi dado o consentimento para que se celebrasse na nova capela a Festa de São Sebastião.

A separação da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora da Paróquia de São Sebastião do Alto Guandu, no município de Afonso Cláudio, começou com um movimento político. Por volta de 1914, os distritos de Boa Família, onde fica o atual município de Itaguaçu, e Figueira de Santa Joana, hoje município de Itarana, iniciaram um movimento pró-emancipacionista para o desmembramento da paróquia e do município. Com o apoio do bispo diocesano de Vitória, Dom Fernando de Souza Monteiro, Boa Família tornou-se a sede do município e Figueira, a sede da paróquia.

Durante o pontificado do Papa Pio XI, o bispo Dom Fernando, no dia 24 de julho de 1915, desmembrou, através de decreto, a Paróquia de São Sebastião de Alto Guandu, erigindo e canonicamente instituindo uma nova freguesia denominada de Nossa Senhora Auxiliadora de Figueira, título da capela situada em Figueira de Santa Joana. Esta capela torna-se a Igreja Matriz da paróquia, cuja festa é celebrada anualmente no dia 24 de maio.

Em 1º de agosto do mesmo ano, tomou posse o primeiro vigário paroquial, padre Bernardo Henrique Niewind. Em 1916, padre Bernardo fundou uma escola paroquial. Ele construiu também um salão chamado “São Vicente”, onde ocorriam reuniões, atividades da catequese e apresentações teatrais. No dia 18 de outubro de 1918, depositou a pedra fundamental da nova Igreja Matriz. Padre Bernardo faleceu em 10 de janeiro de 1938. Dez anos depois, seus restos mortais foram depositados na Igreja Matriz.

Com sua morte, assume a administração da paróquia o padre Paulo de Tarso. Sua maior preocupação era dar continuidade às obras da Matriz, iniciadas 20 anos antes. Assim, o bispo diocesano Dom Luiz Scortegagna nomeou uma comissão que incentivava as famílias a fazer doações em benefício das obras.

Padre Paulo foi sucedido por padre José Lopes Coelho, que permaneceu pouco tempo no cargo. Porém, quem acompanhou a conclusão das obras na Matriz foi o padre Henrique Zamperetti, que dirigiu a paróquia de 1946 a 1959. A Sagração da Igreja Matriz aconteceu em 15 de julho de 1951, pelo bispo Dom Luiz Scortegagna. Esta foi a primeira igreja consagrada no Estado do Espírito Santo. Por isso, esta celebração foi assistida por pessoas das mais diversas localidades. No ano de 1954, a paróquia é desmembrada para a criação de uma nova, a Paróquia Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças, localizada em Itaguaçu. 

Em 21 de dezembro de 1959, o padre Álvaro Regazzi assume a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora como novo pároco, permanecendo até 1982. No ano seguinte, a Fraternidade Franciscana assume os trabalhos até 2003, quando a paróquia, já pertencente à Diocese de Colatina, passa a receber padres diocesanos. De 1993 a 1997, a paróquia também contou com a presença das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora do Amparo. Foram elas: Irmãs Alaíde, Helione, Justina e Luzia. Os franciscanos que trabalharam na paróquia foram:
– Frei José Corteletti
– Frei Antônio Batista Correia
– Frei José Diniz dos Reis
– Frei Iduíno Poubel de Moraes
– Frei Jessé Moreira Lopes
– Frei Jayr Antônio Sylvestre
– Frei Sérgio Martins – Vigário Paroquial
– Frei Jorge Luiz de Oliveira
– Frei Paulino Fabris – Administrador Paroquial

Através de decreto, assinado pelo bispo diocesano Dom Décio Sossai Zandonade, em 1º de janeiro de 2008, algumas comunidades foram desmembradas da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora e passaram a pertencer à Paróquia Missionária São Francisco de Assis, com sede no município de Laranja da Terra (ES).

Os padres diocesanos que administraram a paróquia foram:
– Pe. Suderlan Tozo Binda
– Pe. Cremilson Silva Gomes
– Pe. Zúlian Jorge de Miranda
– Pe. Roberto Marcelino de Oliveira
– Pe. Roberto Carlos Rodrigues

Atualmente, a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora tem como pároco o padre Marinaldo Serafim. Ao todo, a paróquia é composta pelo grupo de reflexão Sagrada Família de Narazé, na localidade de Itaraninha, e por 17 comunidades:
– São Sebastião (Matriz)
– Santa Rita de Cássia (Barra do Sossego)
– Santa Terezinha do Menino Jesus
– São Bento (Alto Limoeiro)
– São José (Limoeiro)
– São Geraldo (Bom Destino)
– São Geraldo (Pedra Alegre)
– Santo Antônio (Limoeiro)
– Santo Antônio (Sossego)
– Sagrado Coração de Jesus (Praça Oito)
– Divino Espírito Santo (Matutina)
– Nossa Senhora da Penha (Baixo Sossego)
– Nossa Senhora da Penha (Alto Bom Destino)
– Nossa Senhora de Fátima (Alto Jatibocas)
– Nossa Senhora do Caravaggio
– Nossa Senhora das Graças (Bela Veneza)
– Nossa Senhora do Carmo (Bananal)

Horário das missas aos domingos: às 7 e às 19 horas

Missa da Catequese: 9 horas (somente no primeiro domingo do mês)

Atendimento do Pároco na Secretaria Paroquial: às quartas e quintas-feiras

Atendimento da secretaria paroquial: de segunda a sexta-feira, das 7  às 16h

E-mail de contato: [email protected]

Página no Facebook: www.facebook.com/paroquiaitarana

Setor:
Área Pastoral Linha Ita
Rua:
Rua Bernardo Niewind, s/n
Telefone:
27-3720-1235
Telefone Adcional:
27-9975-51522
Cidade:
Itarana
Estado:
Espírito Santo
Cep:
29.620-000
Caixa Postal:
20
Horários de Missa:
Domingo
19:00h, 07:00h, 19:00h, 07:00h
Padres: