Uma fonte segura

Muitas pessoas de mais idade costumam lembrar o tempo em que as coisas eram feitas para durar, um tempo em que o estilo de vida de avós, filhos e netos era mais semelhante. É claro que uma geração costuma sempre ser diferente da outra. No entanto, percebe-se que hoje os comportamentos mudam com muita rapidez e fica mais difícil para os pais entenderem o estilo de vida e as aspirações dos filhos. Em mudança de época, algumas mudanças bem positivas, outras carregadas de riscos, estão ocorrendo nas relações familiares, no questionamento das autoridades tradicionais e em outros níveis.

Mas há uma lei da física que também se aplica às experiências humanas: a toda ação corresponde uma reação, de igual intensidade e sentido contrário.

É difícil traçar um retrato do mundo em que vivemos, pois a realidade tem muitos aspectos e é cheia de contrastes.

Hoje valoriza-se muito a liberdade de pensamento ao mesmo tempo que estamos expostos a mecanismos poderosos de massificação; atingimos uma considerável evolução na consciência de Direitos Humanos e assistimos ainda a escandalosas violações desses mesmos direitos; estimula-se exageradamente o consumo, enquanto grande parte da população se endivida e sofre escravo do sistema financeiro; cresce o voluntariado ao lado de uma competição desumana regida pelas leis do mercado; a comunicação é globalizada, mas é enorme a massa de pessoas que não sabe ler e reler o mundo em que vive; ansiamos profundamente pela paz e estamos cercados de notícias trágicas de violência por causas banais.

É difícil traçar um retrato do mundo em que vivemos também, pois tudo muda muito rapidamente. Já se disse que em nossa época as pessoas serão famosas por 15 minutos. Os grandes projetos de vida e ideais ficaram menores, as novas gerações não sabem o que esperar do futuro, uma parte da juventude não tem projeto de vida. É a passagem do projeto de vida a uma vida em episódios. Há muita gente adulta também desiludida, vendo a vida transcorrer numa direção que não era a dos seus sonhos. Vivemos processos de fragmentação da vida humana.

A frase mais ouvida hoje é ¨não tenho tempo¨, assim fica difícil aprofundar conhecimentos, posturas. Há um excesso de estímulos para atrações de pouca duração; até o mercado trabalha com um planejamento que leva em conta que o produto campeão de hoje terá pouco tempo de sucesso e deve ser logo substituído por outra novidade.

A crise da autoridade e a mudança no modo de viver e encarar a vida provocam uma desorientação, que por sua vez, gera busca de segurança.

Diante de uma realidade cheia de contrastes a fé religiosa vem se mantendo como uma fonte verdadeiramente segura. Assim, em vez de termos, como muitos haviam previsto, o declínio da religião, vemos uma procura sedenta e intensa das mais variadas formas de busca do sagrado.

Constatamos cada dia mais que quando anunciamos Jesus Cristo e oferecemos um espaço, uma bela programação para esse encontro, as pessoas aderem e perseveram, encantadas pela mensagem libertadora do Evangelho e pela experiência salvífica do encontro.

O desejo de Deus é latente no coração do homem, e é Nele que encontramos o caminho e as respostas para atravessarmos os obstáculos da História.

Dom Wladimir

Administrador Apostólico

Diocese de Colatina

Um comentário sobre “Uma fonte segura”

  1. concordo plenamente, este digamos choque de geração nos leva a refletir como vivi na minha infância, adolescência e a educação principalmente religiosa na era que não tínhamos tantos meios de tecnologias que levam a falta diálogo o que eu chamo um autismo onde a pessoa está cada dia mais do isolada! Mas a fé os conceitos religiosos passados por gerações são conservados dentro de nossos corações que Deus é o centro de nossa vida, e o motivo de nossa existência!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *